Siga nossas redes

Bolsonaro

Facebook remove live em que Bolsonaro relaciona vacina à Aids

No domingo (24), o Facebook tirou do ar uma live em que o presidente Jair Bolsonaro associa a vacina contra a covid-19 à Aids. No vídeo transmitido na quinta-feira (21), o chefe do Executivo afirma que pessoas do Reino Unido estão tomando vacina e adquirindo a doença causada pelo vírus HIV, informação que já foi desmentida por autoridades de saúde.

Após remover o conteúdo da rede, o Facebook explicou que as políticas da plataforma "não permitem alegações de que as vacinas de covid-19 matam ou podem causar danos graves às pessoas". O Instagram - que pertence ao Facebook - também removeu o vídeo.

A alegação de Bolsonaro foi refutada pela Organização Mundial da Saúde (OMS) e criticada pela Sociedade Brasileira de Infectologia (SBI). Em comunicado, o Comitê de HIV/Aids da SBI afirmou: "Não se conhece nenhuma relação entre qualquer vacina contra covid-19 e o desenvolvimento de síndrome da imunodeficiência adquirida [Aids]".

Médicos, infectologistas e cientistas classificaram a fala de Bolsonaro como absurda. Nas redes sociais, os especialistas reforçam que não existe possibilidade de que uma das vacinas liberadas para uso contra a covid-19 cause Aids.

"Não existe NENHUMA possibilidade de a vacina causar AIDS. ZERO. Qualquer que seja a vacina. É isso que precisa ser divulgado de forma clara e direta", escreveu o médico e advogado sanitarista Daniel Dourado.

O médico infectologista Gerson Salvador afirmou que a declaração do presidente pode atrapalhar a campanha de vacinação, que deve vencer a barreira daqueles que desconfiam - sem fundamentos sólidos - das vacinas.

A SBI também reforça a importância da vacinação para pessoas que vivem com HIV. "Destacamos, inclusive, a liberação da dose de reforço (3ª dose) para todos que receberam a 2ª dose há mais de 28 dias", disse a sociedade médica.

Em março de 2020, a rede social tirou do ar um vídeo em que Bolsonaro promovia aglomerações em meio à pandemia. No entanto, esta é a 1ª vez que uma live semanal é removida.


De onde vem a informação falsa?

As supostas notícias lidas por Bolsonaro na transmissão afirmavam que relatórios do governo britânico indicavam que vacinados estariam com o sistema imunológico enfraquecido e adquirindo a síndrome da imunodeficiência adquirida (Aids). Na verdade, os documentos fazem a vigilância dos efeitos das vacinas na população ao longo do tempo e não citam a Aids ou qualquer prejuízo causado ao sistema imune nos vacinados.

A agência de checagem independente aos fatos fez uma verificação completa (que pode ser confirmada pelo leitor aqui).

O atraso de 3 dias até que o Facebook decidisse tirar do ar o vídeo com a transmissão de Bolsonaro ampliou o estrago - milhares ou talvez milhões de brasileiros tiveram contato com uma informação falsa reproduzida pelo chefe do executivo e cabeça do governo brasileiro.

Até o momento, mais de 50% da população brasileira recebeu as 2 doses de uma das vacinas contra a covid-19, e vários outros países estão com taxas semelhantes de vacinação. Embora nenhuma vacina contra nenhuma doença ofereça proteção total e seja totalmente isenta de efeitos colaterais, assim como acontece com qualquer tratamento de saúde, os números da pandemia mostram que os imunizantes funcionam e são a melhor opção para combater a covid-19, além de evitar ainda mais mortes.


As vacinas causam alguma doença?

As vacinas não são feitas para causar doenças, mas sim para preveni-las. Para isso, elas usam um antígeno (um pedaço do patógeno ou ele inteiro e inativado) que ativa o sistema imunológico para produzir células de proteção contra um invasor específico.

Funciona assim: sempre que o corpo detecta um invasor que pode causar algum mal (bactérias, vírus etc.), inicia a produção de anticorpos e outras células de proteção voltadas para a eliminação do invasor recém-chegado. Assim, as vacinas apresentam ao corpo um pedacinho do vírus que funciona como uma identidade que permite reconhecê-lo (o antígeno). É como se a vacina dissesse ao corpo: "Está vendo esse cara aqui? Vai atrás e tira ele daqui!".

Quando a pessoa recebe a vacina, o corpo fica mais ágil e preparado para criar as células de proteção em massa e combater a infecção de uma maneira muito mais eficiente quando tiver contato com o vírus de verdade.

Mas e as pessoas que tomaram a vacina e tiveram febre e dores? Isso acontece porque vacina necessariamente induz uma inflamação leve para ativar o sistema imunológico e, assim, dores ou febre podem aparecer. Portanto, isso é um sinal de que o sistema imune funciona.

Via: tecmundo

 

ÚLTIMAS NOTÍCIAS

 





PUBLICIDADE

O JATV.com.br é um portal de informação 24 horas por dia e 365 dias por ano no ar. Presentes nas redes sociais, somos compatíveis com todos os dispositivos que dispoem de acesso à internet.

Endereço: Rua 29 de Dezembro, 643 - Sala 03 - Centro, Rio do Campo - SC, 89198-000
Telefone: (47) 3564-0318 | Email: contato@jatv.com.br

|